DEBATE NA CÂMARA MOSTRA A IMPORTÂNCIA DAS LEGUMINOSAS NA NOSSA ALIMENTAÇÃO

mesa leguminosasConvidados do debate público sobre as leguminosas que compuseram a mesa. (Foto: Marcos Takahara)

 

O vereador Jorge Bernardi presidiu, na quarta-feira (23), a audiência pública promovida pela Câmara Municipal de Curitiba e pela FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura). Participaram diversas autoridades ligadas à alimentação e à agricultura. Durante o evento, ficou demonstrada a importância das leguminosas na alimentação sustentável, eficiente e sadia para a humanidade.

O primeiro a falar foi o engenheiro agrônomo Valter Bianchini, coordenador-geral da FAO para a região Sul do Brasil. Ele explicou que as leguminosas, como feijão, ervilha e soja, são ingeridas pelos homens e animais e cultivadas por civilizações em todo o mundo há mais de 10 mil anos. "As leguminosas representam uma vasta família de plantas, incluindo mais de 727 gêneros e mais de 19 mil espécies. E são vastamente domesticadas pelo homem como forrageiras, que servem para cobrir e adubar o solo das lavouras", explicou.

Ano das leguminosas

A ONU (Organização das Nações Unidas) declarou 2016 como “Ano Internacional das Leguminosas”. Por meio da FAO, estão sendo incentivadas, em vários países, atividades colaborativas entre governos, empresas e organizações não governamentais para aumentar a consciência pública sobre os benefícios nutricionais destes grãos, sobretudo como parte da produção sustentável de alimentos voltados à segurança alimentar e nutrição.

O mercado emergente, estimado em 363,9 milhões de toneladas,  pede mais incentivo à produção mundial de grãos das principais leguminosas. A cultura da soja desponta dos demais produtos, com 85% do total produzido. Em seguida, vem feijão, com 25 por cento. A produção brasileira de ervilha seca corresponde a 0,3% da produção mundial ou 3.692 kg. Nosso país não produz grão de bico e lentilha, e apresenta uma pequena produção de ervilha seca. O que demonstra fragilidade e dependência do setor produtivo nacional à demanda interna e às importações destes produtos. Em 2015, o Brasil importou aproximadamente 51,8 mil toneladas de ervilha seca, lentilha e grão de bico, a um custo total de US$ 32,9 milhões.

Palestras

Falaram ainda, durante o evento, o diretor de comunicação da FAO no Brasil,  jornalista Mário Milani, o agrônomo Renato Viana Gonçalves,  representante da Emater,  a agrônoma Claudine Maria de Bona, do Iapar e da Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Paraná e Érica Mielke, da Secretaria Municipal do Meio Ambiente. A chefe de cozinha, Gabriela Carvalho mostrou a importância das leguminosas na nossa alimentação do dia a dia. "Principalmente o feijão, que é um prato típico do Brasil", explicou.

Quem também discursou falando da importância do equilíbrio entre a produção e o respeito ao ambiente foi o xamã (pajé) guarani, Awaju Poty. "Senti grande alegria vendo as qualidades dos komanda (feijões), das raízes, dos legumes, das frutas tão puras e intocadas", disse. E, em seguida, acrescentou: "O importante na produção de alimentos não produzir para a venda, mas sim para partilhar nossas sementes e mudas com estranhos".

Também destacaram o equilíbrio entre a natureza e as necessidades humanas  Rosália Odete de Paula, presidente da Sociedade Força e Natureza e Sandra Oliveira,  da agricultura Yoko- Arte Mahikari.

  Confira aqui as demais fotos deste evento.

 

 

Mais Lidas