LEGUMINOSAS É TEMA DE DEBATE PÚBLICO NA CÂMARA

FeijaoColheita de feijão: o Brasil é um dos maiores produtores mundiais.(Foto: Ângela Peres)
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Atendendo proposta do vereador Jorge Bernardi (Rede), a Câmara Municipal de Curitiba, com o apoio da FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura) promove nesta quarta-feira (23) audiência pública sobre as leguminosas, com o tema “Sementes Nutritivas para um Futuro Sustentável”. O evento será realizado entre 14 e 18 horas no auditório do anexo II do Legislativo curitibano. Este debate visa marcar, em nossa cidade,  o “Ano Internacional das Leguminosas”. Segundo Bernardi, "o objetivo é mostrar que as plantas leguminosas como feijões, lentilhas, soja, fava, broto de alfafa, amendoim, grão de bico e ervilhas são alimentos ricos em proteínas e que têm papel importante no combate à fome no Brasil".
 
Ao declarar 2016 como “Ano Internacional das Leguminosas”, a ONU, por meio da FAO, incentiva as atividades colaborativas entre governos, empresas e organizações não governamentais para aumentar a consciência pública sobre os benefícios nutricionais destes grãos, sobretudo como parte da produção sustentável de alimentos voltados à segurança alimentar e nutrição. Ingeridas pelos homens e animais e cultivadas por civilizações em todo o mundo por mais de 10 mil anos, as leguminosas representam uma vasta família de plantas, incluindo mais de 727 gêneros e mais de 19 mil espécies. E são vastamente domesticadas pelo homem como forrageiras, que servem para cobrir e adubar o solo das lavouras.

Segundo Valter Bianchini, oficial da FAO no Brasil, os eventos programados em várias partes do mundo envolvem atividades em torno das leguminosas. “É uma forma da ONU criar oportunidades para facilitar trocas de experiências técnicas e conexões de negócios sobre esta importante cadeia produtiva de alimentos”, explicou. Para ele, as atividades destacando as leguminosas “induzem ao aumento da sua produção e consumo, ajudam a aprimorar as rotações de culturas nas lavouras, buscam novas tecnologias no setor e incentivam intercâmbios que possam melhorar o seu comércio local e mundial”.
 
Incentivo à produção
 
O mercado emergente, estimado em 363,9 milhões de toneladas,  pede mais incentivo à produção mundial de grãos das principais leguminosas. A cultura da soja desponta dos demais produtos, com 85% do total produzido. A produção brasileira de ervilha seca corresponde a 0,3% da produção mundial ou 3.692 kg. Nosso país não produz grão de bico e lentilha, e apresenta uma pequena produção de ervilha seca. O que demonstra fragilidade e dependência do setor produtivo nacional à demanda interna e às importações destes produtos. Em 2015, o Brasil importou aproximadamente 51,8 mil toneladas de ervilha seca, lentilha e grão de bico, a um custo total de US$ 32,9 milhões.
 
A leguminosa “feijão”, em suas mais diversas variedades, é considerado como um dos mais antigos alimentos utilizado pelo homem, tornando-se parte importante da dieta de várias civilizações. Estão entre as primeiras plantas a serem domesticadas e cultivadas, inseridas na própria invenção da agricultura. Quase todos os lugares da terra têm seus tipos específicos de feijões, onde tiveram importante papel na formação sócio cultural de várias civilizações, seja por motivos religiosos, sociais ou meramente alimentícios.
 
No Brasil, o consumo de feijão não poderia ser diferente de muitos países, onde é um dos principais pratos que formam a base alimentar. O famoso prato “feijão com arroz” torna como o mais típico prato da culinária brasileira. Os mais conhecidos no Brasil são: Feijão preto, roxinho, fradinho, mulatinho, branco, rosinha, verde, carioca, entre outros. Os mais consumidos pelos brasileiros são o carioca, preto e o roxinho. O feijão é responsável por um dos pratos mais famosos da culinária mundial, a feijoada.

Mais Lidas