NOS BAIRROS, BERNARDI LEVA A PROPOSTA DE UMA CURITIBA SUSTENTÁVEL

XaximNo Xaxim, Jorge Bernardi, ao lado de Marcelo Gaino, conversa com os moradores na Praça Imer Colares Marques. (Foto: Marcos Takahara)

 

Todo fim de semana, o candidato a vice-prefeito na coligação "Curitiba Justa e Sustentável", Jorge Bernardi (Rede), reúne uma equipe formada por assessores, amigos e admiradores e percorre os bairros da Capital, levando a mensagem da chapa, que tem como candidato a prefeito Requião Filho (PMDB). É uma maratona de mais de 100 quilômetros por dia. São visitados bairros localizados em pontos distantes, que vão de um extremo a outro a cidade. "O melhor jeito de fazer campanha ainda é na rua ouvindo e conversando com os eleitores", explica o candidato.

No último sábado, Bernardi foi até o Xaxim. Na Praça Imer Colares Marques, o candidato a vice-prefeito  conversou com os moradores do local. Ele estava acompanhado do candidato a vereador, Marcelo Gaino (Rede). Ambos ouviram muitas reclamações sobre o abandono do bairro, começando pela própria praça. Os moradores relataram casos de aumento de violência, da falta de médicos na região e do descaso com as ruas, que não recebem manutenção adequada, incluindo o tapa-buracos e a troca das lâmpadas queimadas nos postes.

Visita ao comércio

Acompanhado de Requião Filho, Bernardi também visitou o comércio dos bairros Centenário e Capão da Imbuia. Ambos os candidatos foram bem recebidos e ouviram muitas reclamações. As principais queixas relatadas, tanto pelos comerciantes, como pelos clientes, referem-se à falta de segurança pública. Os moradores desses dois bairros dizem que a violência aumentou e que todos trabalham em meio à insegurança geral. Outra preocupação que tira o sono dos comerciantes da região é o aumento no número de moradores de rua. "São tantos, que chegam a atrapalhar as lojas", diz uma comerciante do Capão da Imbuia.

Já no Centenário, os comerciantes pedem melhorias nas ruas, principalmente na conservação do antipó e na iluminação pública. Reclamam, também, da ação sem controle dos pichadores. "O vandalismo chegou ao absurdo de não compensar mais pintar a fachada da loja, porque no dia seguinte estará toda pichada de volta", diz o dono de uma farmácia, que não quer ser identificado. Outro problema, que na opinião dos lojistas afasta a clientela é o aumento no número de "guardadores de carro". "Eles fixam um preço abusivo para que o cliente estacione na rua, e com isso, ninguém está parando para fazer compras em nosso bairro", relata outro comerciante. Requião e Jorge Bernardi asseguram que a solução desses problemas passa por ma parceria com o governo do Estado. "Só assim é possível aumentar o policiamento na região", explicaram. Ambos também sugerem uma ação de inteligência da Guarda Municipal para combater os pichadores e os chamados "flanelinhas".

ComercioJorge Bernardi e Requião Filho conversam com comerciantes do Centenário. (Foto: Marcos Takahrara)

 

 

 

Mais Lidas