Coletes falsificados e assassinato de agricultores no governo Richa

coletesmst

Enquanto todos estão atentos ao golpe em Brasília, o governo Beto Richa (PSDB) segue com os absurdos dos coletes vencidos, pondo em risco a vida dos policiais, e os assassinatos de trabalhadores rurais sem terra. Leia e ouça abaixo na coluna de Jorge Bernardi (REDE).

O processo do impeachment da Presidenta Dilma tomou conta da mídia nacional, mais uma atrocidade do Governo Beto Richa ganhou pouco destaque na imprensa estadual e nacional. O brutal assassinato, de dois agricultores sem terras, e outros seis feridos, na conturbada Quedas do Iguaçú, sudoeste do Estado, onde persiste um dos maiores grilos de terra do Paraná.

As vítimas Vilmar Bordim, 44 anos, deixou viúva e três filhos; e Leomar Bhorbak, 25 anos, casado, que morreu sem ver seu filho nascer. Sua esposa está grávida de nove meses. O veículo em que estavam, segundo o MST, foi metralhado pela Policia Militar e jagunços, que respondem como seguranças da empresa grileira. O que é mais incrível, nesta violência toda, é que dois agricultores gravemente feridos, tiveram suas prisões preventivas decretas. Saíram da UTI do hospital diretamente para o cárcere.

Neste Paraná profundo ainda vigora a lei dos poderosos, dos coronéis, como retrata a novela “Velho Chico”. Os conflitos agrários, que remontam aos anos 50 e 60 do século passado, continuam em vigor em pleno século XXI. Inalteradas as velhas práticas, com as autoridades políticas e judiciais a serviço dos poderosos. As vítimas é que são criminalizadas.

Enquanto o Governo Beto Richa surra professores e mata, sem piedade, agricultores sem terra, deixando viúvas e órfãos, um escândalo sem precedentes envolve a Policia Militar. Coletes a prova de bala, que deveriam proteger a policia, foram falsificados, colocando em risco a vida de policiais civis e miliares que diariamente saem às ruas para proteger a sociedade dos criminosos.

Mais de 11 mil coletes balísticos foram reformados sem obedecer normas técnicas, com prejuízo de milhões aos cofres públicos. Até as etiquetas foram falsificados para dar a aparência de que estavam dentro do prazo de validade. Isto fez com que as principais classes policiais do Paraná (Sindicato da Policia Civil do Paraná, Sindicato dos Investigadores, Associação dos Delegados e Associação de Praças do Paraná entre outros), manifestassem sua revolta e denunciassem o fato.

Enquanto o Governo Beto Richa bate em professores, mata covardemente homens do campo, e coloca em risco a vida de policiais com coletes falsificados, a população de Curitiba sofre uma onda de roubos sem precedentes e não pode mais sair a noite nem para jantar. Os assaltos são frequentes em restaurante, farmácias e outros estabelecimentos. Infelizmente o Paraná está nas mãos dos bandidos.