A falência do governo do Paraná e o massacre dos professores

bernardi giz bombaQual a receita para se quebrar uma empresa? Gastar mais do que fatura. E para quebrar um Estado? Simples, gastar mais do que arrecadar. Foi o que fez o Governo Beto Richa nos últimos quatro anos. Arrecadou, arrecadou, tornou-se o campeão nacional de arrecadação de tributos, mas gastou tudo e mais um pouco deixando um déficit nas contas públicas de 4,6 bilhões de reais.

A arrecadação do Paraná demonstra que o aparelho de fiscalização tem sido eficiente, apesar da quadrilha de fiscais que agia na região de Londrina, O Estado aumentou no período (2011/14) a receita corrente liquida de R$ 16,97 bilhões para R$ 26,46 bilhões, acréscimo de R$ 9,46 bilhões, crescimento de 56%, o dobro da inflação acumulada que foi de 24%.

Mas por que o estado quebrou? Por que o governo Beto Richa decidiu apropriar-se dos recursos do fundo de aposentadoria dos servidores gerando a revolta santa de professores e servidores, que foi debelada pela polícia com cassetetes, bombas, balas de borracha e cães ferozes?

O Governo Beto Richa gastou mais do que arrecadou. No que gastou? Ninguém sabe. Não se tem notícia de que tenha asfaltado estradas, construídos escolas, universidade, edifícios públicos, melhorado a segurança, equipado a polícia, com os recursos do estado. Esbanjou o dinheiro do contribuinte, como fez o filho pródigo da parábola bíblica. Entre as gastanças, alugou helicóptero, sem licitação, por 2 milhões de reais.

Quando Jaime Canet Junior governou o Paraná há 40 anos, construiu 4 mil km de estradas, dezenas de escolas, prédios públicos, mesmo tendo enfrentando a geada negra que destruiu os cafezais do Paraná que expulsou 1 milhão de pessoas da agricultura. E o que fez Beto Richa? Nenhuma obra de vulto, nestes quatro anos, em que a arrecadação foi abundante.

Não bastasse a farra desenfreada com os recursos públicos, o Governo Beto Richa, em dezembro de 2014, lançou com a anuência da Assembleia Legislativa uma série de maldades contra a paranaense. Aumentou a alíquota do IPVA em 40%, o ICMS da energia de 28% para 29%, e acabou com a isenção da cesta básica (feijão, arroz e carne e etc). E ainda majorou a alíquota de material escolar, eletrodomésticos e mais de 100 mil itens. Até o imposto do giz, ele aumentou, menos o da bala.

Infelizmente o Governo Beto Richa será lembrado pelo pouco giz e muita bala. Somos todos professores.