Os 300 cargos comissionados da discórdia

bernardi fruet

Desde que adotei, como princípio de vida, que “cada real economizado é um real ganho; só gastar depois de ganhar e, sempre gastar menos do que ganhar”, nunca mais passei dificuldades financeiras. O Brasil, o estado do Paraná e a Prefeitura de Curitiba estão vivendo uma das maiores crises financeiras por não adotar estes princípios.

 

Gustavo Fruet herdou uma dívida de Luciano Ducci de R$ 572 milhões de reais. A maior que se tem notícia desde quando Rafael Greca foi prefeito de Curitiba (Greca deixou uma dívida de mais de R$ 350 milhões). A Prefeitura optou em pagar as dívidas menores à vista ou parceladas em até 24 meses; já as maiores o pagamento se dará em até 36 vezes.

 

A secretária de finanças, Eleonora Fruet, foi à Câmara Municipal e afirmou que a dívida, de curto prazo, da atual administração, é de mais de R$ 100 milhões de reais. Deverá ser paga, segundo ela, a partir de abril, com os R$ 120 milhões de reais que virão com o aumento de 40 % no IPVA promovido por Beto Richa. Será?

 

Preocupado, com a grave situação financeira do município, propus uma medida radical. Que o prefeito extinguisse 307 cargos em comissão, que não estão na estrutura da administração municipal, e geram uma despesa de mais de R$ 30 milhões por ano. Aliás, o mesmo valor que a Prefeitura pretende arrecadar com o aumento de 5% do IPTU, acima da inflação. Estes cargos, criados por Cássio Taniguchi, tem sido utilizados como moeda de troca de apoio com lideranças comunitárias e políticas.

 

Diante deste quadro o que se vê é uma inércia da administração municipal, que não reage da forma como a população espera. Só o prefeito Gustavo Fruet pode salvar a sua administração tomando medidas de austeridade, enxugando a máquina, revisando os contratos, diminuindo a tarifa ônibus (a CPI e o Tribunal de Contas apontaram superfaturamento) e fazendo o que toda a população espera: agir com rigor e firmeza. Ainda há tempo de corrigir o rumo, como Fruet corrigiu na campanha, e ganhou as eleições.